domingo, setembro 17, 2006

É a vida..

São mentiras que ferem. Punhais que me traçam e criam cicatrizes mais longas que o tempo. Estás debaixo da minha pele, dentro dela, entranhado até o último poro do meu ser. Eu definho com esta presença de ti. Porque tu me consomes a alma. Já me arrancaste o coração. Nada mais são mentiras as palavras que te choram dos olhos. Gostava de não olhar para trás. Mas tu puxas-me. Como um peso morto. Que mata. Essa solidão de ti sufoca-me. És negrume todo tu. Com a tua noite vazia e soturna. Com o vento gelado que me empurra as costas contra o corpo. As amarras que antes tinha eram memórias que o tempo apagou, como o contorno dos teus passos a soarem perto de mim. Não és carne, não és corpo, não és nada. Eu não sou nada. Tu és o que me assombra e me assola. Por quem pecam os meus olhos querendo invadir-se de algo que tu já não dás. És a calçada que chora calada. A lareira que arde cega de paixão. Cegou. Ceguei. Lutei por não ver e agora não há luz que alimente esta sofreguidão lânguida. Foi tudo. Foi-se tudo. Carregada nos apertados braços da tempestade que criaste na minha vida. Foste vida. Foste mais que vida. E agora foste embora. E dói. Arde. Corrompe toda esta teia de segurança que me tinhas mostrado. Todo o amor. Existiu? Pormenores. O que existe é o agora. São cordas ao pescoço que apertam quanto mais me movo. Vozes que me gritam caminhos opostos, direcções opostas. E eu perco-me. Na inconstância da consciência. Da inconsciência. É demais. Demais para mim. O corpo cambaleia. Pede descanso. Um abrigo. Um porto seguro. Último recurso. Último suspiro. Fui forte demais por demasiado tempo. Fadiga emocional. Olhos pesados a pedirem para não ver mais, para não saber mais, para não querer mais. Já quis demais. Já fui demais. Já fiz demais. E acabou-se. Atingi o limite da dor. Da paciência. A gota que fez o meu copo transbordar. Que transbordou dos meus olhos e me tornou quase tão fria quanto a pedra em que me vergo em submissão.

5 Comments:

Blogger Pedro Lopes said...

está lindo, triste mas lindo...

a profundidade... imensa e sublime!

só custa saber que esta beleza surge da tristeza... pára! decide e avança! carrega no reset e reinicia tudo... outra história, outra vida, outro capítulo, outras alegrias...

aquele abraço, eu estou por aqui ;)

2:46 da manhã  
Anonymous béu said...

ai jesus!
=/
isso parece-me sofrimento de mais para uma pessoa só.
nem cinco mil o aguentariam.
quanto mais uma...

força.
tu és forte.
sabes lutar.
e reanimar.
e olhar para a frente eesquecer o passado.
por mais difícil que seja.
=]

***

5:56 da tarde  
Anonymous Nico said...

Tanta emoção que consegues passar, fico triste por mim por sentir que não sou um porto seguro para ti onde pudesses descansar a tua tristeza e ganhar forças para uma nova "viagem" do amor...

Aonde me posso candidatar ou quais os requesitos para que confies em mim e te libertes desse sofrimento.

Sabes que eu te adoro, não sabes?
Aguardo resposta
BJS

10:50 da tarde  
Blogger dianiiita =) said...

Pois tamus n mma situação!
Mas ñ nos podemus deixar afectar por issu! vamus ser somos fortes i ñ deixar k istu nos desanime!
por vezex a vida é mm assim. Cruel!

força miguita**

10:57 da tarde  
Blogger brun0.m@rkez said...

duras palavras, sérias verdades?

*

10:22 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home